Chifrei Meu Marido Pela Terceira Vez… Querendo

Click to this video!

Meu nome é Mari, resido em São Paulo, Capital. Sou alta, magra, seios pequenos, cintura fina e bunda grande, bem arrebitada, mas durinha ainda. Apesar da minha idade (49), aparento uns 10 anos menos e todos dizem que tenho um corpo bonito. Sou casada, tenho um filho e sou feliz com meu marido. Entretanto, acontecem coisas nas nossas vidas que não temos como evitar.
O relato que passo a expor foi a terceira vez que trai meu marido. As duas vezes anteriores eu relatei nos contos: TRAI MEU MARIDO SEM QUERER e TRAI MEU MARIDO SEM QUERER PELA SEGUNDA VEZ.
Bem, vamos aos fatos. Nunca fui uma garota sapeca. Aliás, acho até que comecei minha vida sexual muito tarde. Para vocês terem uma idéia, só perdi minha virgindade aos 17 anos. E,assim mesmo, porque um primo meu, que tinha 28 anos na época, me flagrou pelada, me masturbando enquanto via um filme de putaria em casa, aproveitando que estava sozinha. Meus pais tinham ido passar o fim de semana fora e eu desconhecia que meu primo tinha a chave de casa. Ele entrou de mansinho e quando tentei correr para meu quarto ele me segurou e disse que já estava na hora de eu virar mulher. Como todas as minhas amigas já tinham dado e eu já estava quase gozando quando ele chegou, não resisti e dei pra ele. Ele foi carinhoso e me comeu bem devagar, sem forçar nada. Pelo contrário, ficou pincelando o pau na minha buceta até que eu não agüentei mais e pedi para ele enfiar tudo. Lembro que puxei ele com força e a pica entrou de vez. Senti uma dorzinha mas como ele ficou parado, curtindo a pica dele enterrada na minha bucetinha, fui me acostumando até que ele começou a tirar e por bem devagar para ir alargando minha bucetinha. Passou um tempo assim e foi ficando gostoso. Daí começou a bombar mais forte, até que gozou, enchendo minha bucetinha de porra. Foi uma sensação diferente e gostosa sentir a porra quentinha escorrendo pelas minhas pernas. Fomos tomar uma ducha e voltamos para a cama, começando tudo de novo. Primeiro ele chupou minha buceta aé eu gozar. Depois pediu para eu chupar o caralhho dele o que fiz com vontade, deixando ele no ponto novamente. Esclareço que já tinha chupado o pau de um namorado e não era inexperiente. Nesta segunda vez ele pediu para eu ficar de 4 para me comer por trás. Antes que ele gozasse, cavalguei a pica dele de frente e de costas,até gozar novamente. Voltei a ficar de 4 e ele gozou bem gostoso na minha bucetinha. Em resumo, fodemos a noite toda até que pegamos no sono de cansaço. Nesse dia me arrependi de não ter dado antes, pois não imaginava como é gostoso a gente ser fodida. Desse dia em diante, como já não era mais virgem, não havia razão para negar a buceta para meus namorados. Antes, eu só deixava pegar nos meus seios, dar uns amassos, sentir a pica dura num abraço apertado, deixar o namorado enfiar a mão por baixo do vestido e acariciar minha bucetinha por cima da calcinha, enfim, essas coisas que todas as garotas fazem, quando ainda são virgens. O máximo que fiz antes de casar foi deixar um namorado botar nas minhas coxas, mas sem tirar a calcinha. De qualquer forma, nunca fui de namorar muito e dos 4 namorados que tive antes de casar, dei para 3. Por causa do meu bundão arrebitado, todos queriam comer meu cuzinho. Cheguei a tentar com o primeiro, mas como doeu muito, acabei não dando e decidi guardar para o casamento. Só dei o cuzinho para o meu marido poucos dias antes do nosso casamento. Considerando todos que me comeram, só tinha conhecido 5 picas até então.
Feito este breve relato da minha vida sexual, quero contar como aconteceu esta terceira vez que trai meu marido. Só que desta vez foi querendo mesmo….rs.
Fomos passar uma semana no Club Med Itaparica. Quem conhece sabe que a diferença para outros resorts, são os GOs, como eles chamam os rapazes e moças cujo trabalho é distrair os hóspedes com brincadeiras, jogos e esportes.
Já na apresentação da equipe senti algo diferente ao ver um jovem, alto, atlético, loiro, cabelos compridos, cerca de 30 anos, que era o responsável pelo circo. Ficava sempre de olho nele e acho que ele percebeu, pois quando eu estava tomando sol na piscina percebia que me olhava. Inclusive uma vez que passou perto de mim e disse baixinho: que vidão…ou será que foi: que bundão…rs. Após o jantar e o “show” havia musica para dançar, coisa que meu marido detesta. Ficávamos numa mesa sentados, bebericando, vendo os casais dançando.
Quando faltavam dois dias para terminar nossa estadia, resolvi pedir ao meu marido para dançar com um dos GOs. Meu marido aceitou de pronto e, por coincidência, o tal GO estava passando e o meu marido pediu a ele para dançar comigo.
Cada noite eram dois ritmos. Nessa noite era forró e lambada, ritmos que exigem que o casal dance quase colado um no outro. Eu estava com um vestido fino, quase transparente e senti uma coisa dura roçando nas minhas coxas. Pouco depois, meu marido disse que estava cansado e já ia pro quarto, mas que eu podia continuar dançando. Foi a oportunidade que eu estava esperando. Assim que ele sumiu de vista, apertei mais o Carlos, esse era o nome do GO, contra mim e colei meu rosto no dele. Ele retribuiu dando um beijo de leve no meu cangote. Queria dançar mais, porém achei melhor não abusar e ir ao encontro do meu marido. Ele disse que ia me acompanhar até o meu apto, pois já era tarde e o caminho é meio escuro.
Ele disse que tinha gostado de mim desde que me viu e se tinha jeito da gente conversar mais tranqüilo no dia seguinte, que era o dia de folga dele. Enquanto falava, segurou minha mão. Eu disse que um ótimo horário seria no final da tarde quando meu marido fosse para a sauna. Chegamos ao prédio do meu apto e ele, ainda segurando minha mão, perguntou se podia dar um selinho. Lógico que eu concordei. Mas não ficou só no selinho…rs. Ele me agarrou e enquanto me beijava, levantou minha saia e pegou na minha bunda.
Eu disse: vc é louco? Bem aqui, na frente do meu apto? Aí ele disse: Está bem, amanhã conversamos. Assim que seu marido sair, baterei na sua porta duas vezes.
No dia seguinte, fiquei excitada durante todo o dia, imaginando se teria coragem de fazer o que estava combinado. Por via das dúvidas, no final da tarde tomei um banho demorado, me perfumei toda e fiquei só de calcinha, tipo tanga fio dental, bem enfiada no rego, como eu gosto de ficar em casa quando estou sozinha, por isso meu marido não estranhou.
Mal ele saiu, ouvi dois toques na porta. Abri e o Carlos entrou. Me vendo só de calcinha já foi me abraçando e beijando. Foi tirando a roupa e assim que ele baixou a sunga pulou para fora um cacete como eu nunca tinha visto antes. Lindo, grande e grosso, bem maior que o do meu marido que tem apenas 15 cm. Pelos meus cálculos, acho que tinha uns 22 cm. Deitou por cima de mim e começamos aquele rala e rola, eu pelado e eu de calcinha. Ele começou a me beijar e foi descendo, parando nos meus seios, no meu umbigo, passando para as minhas coxas, beijando a parte interna, até chegar na minha bucetinha. Beijou primeiro por cima da calcinha, depois, afastando ela de lado, lambeu minha xoxota. Com a boca ele foi puxando e eu levantei a bunda para ajudá-lo a tirar minha calcinha. Aí ele caiu de boca na minha buceta, pedindo para eu colocar os pés nos ombros dele para minha buceta ficar bem aberta e eu sentir a língua dele querendo me foder. Depois, me pediu para ficar de 4 pois queria curtir meu bundão. Nessa hora ele confessou que a minha bunda grande e arrebitada foi o que chamou a atenção dele assim que me viu. Aliás, só a dele não, mas de todos os GOs…rs. Atendi o pedido dele e fiquei de 4 com a cabeça enfiada no travesseiro, as pernas bem abertas, com meu bundão bem arrebitado e o cuzinho à mostra. Ele foi lambendo da buceta até o cú, depois enfiando a ponta da língua no meu buraquinho como se ela quisesse me foder, enquanto acariciava meu clitóris bem de leve, me levando ao êxtase.
Eu estava nervosa, preocupada, com receio do meu marido chegar e me pegar no flagra e pedi a ele para me comer logo. Aí ele me tranqüilizou, dizendo que tinha combinado com um colega para ficar de olho no meu marido. Assim que ele saísse da sauna o amigo daria um toque no tel do apto. Fiquei tranqüila, mas disse que, de qualquer maneira, já estava no ponto e queria sentir aquela coisa linda, grande e grossa, todinha dentro da minha bucetinha.
Ele se deitou por cima de mim e começou a pincelar minha buceta com aquele mastro bem duro. Depois enfiou a cabeça do caralho dele e ficou pondo e tirando, como se quisesse me foder assim. Judiou de mim até eu implorar para ele enfiar mais um pouco. Nossa…quando senti aquilo entrando, até duvidei que ia agüentar tudo, mas foi incrível…minha buceta engoliu aquela pica todinha, que entrou até o talo. Ele começou a bombar e eu delirando, gemendo bem gostoso. Eu disse que ia gozar e ele pediu para eu segurar um pouco pó
Ficamos uns 2 minutos deitados, um ao lado do outro, de mãos dadas, conversando sobre como era bom uma foda assim, quando senti que a pica dele estava ficando dura novamente. Não tive dúvidas, cai de boca naquela maravilha e engoli ela todinha. Chupei bastante, até deixar ela no ponto de novo. Eu disse a ele que queria cavalgar aquela pica e fui me acocorando, pegando a pica dele e colocando na minha racha. Aí, fui descendo até sentar em cima dele, sinal que a pica tinha entrado todinha. Comecei a cavalgar, subindo e descendo com toda força. Enquanto eu subia e descia ele apalpava meus seios, apertando os mamilos. Depois me virei de costas e continuei cavalgando. Quando eu subia ele passava os dedos no meu cuzinho. Gozei que nem louca. Aí ele pediu para eu ficar de 4 novamente. Queria curtir mais meu bundão. Disse que nunca tinha visto uma coroa com uma bunda tão durinha assim, quase sem celulite, ao contrário das garotas que comia, com as bundas flácidas.
Não me fiz de rogada e já empinei meu bundão, abrindo bem as pernas. Ele começou a lamber tudo de novo, enfiando a ponta da língua bem dura no meu buraquinho. Daí ele colocou a pica na minha buceta e foi enfiando devagar até entrar tudo. Esperou eu me acostumar e começou a bombar, primeiro bem devagar, depois bem rápido e com força, quase tirando o pau pra fora e enfiando novamente. Enquanto fodia minha buceta, melecou bem os dedos e foi lambuzando meu cuzinho, primeiro acariciando e depois enfiando um dedo, depois outro, preparando ele para ser comido. Eu disse a ele que meu cuzinho era muito apertado, que pouco tinha dado ele, que meu marido tinha sido o primeiro e depois dele só tinha dado uma vez para um amigo dele. Que meu marido raramente comia meu cuzinho, preferindo sempre minha buceta. Ele disse que talvez todos com quem transei não soubessem comer um cuzinho. Que eu ia ver como era dar o cú para um macho de verdade. Tirou o pau da minha buceta e posicionou no meu buraquinho. Eu abri bem a bunda com as duas mãos enquanto ele forçava para entrar a cabeça do cacete. Senti a cabeça entrando e pedi para ele parar um pouco. Fui me acostumando e ele enfiando bem devagar, sem forçar, para eu sentir cm a cm. Nossa…vi estrelas mas consegui engolir ele todo. Aí ele parou, deixando eu me acostumar com aquela tora dentro de mim, beijando minhas costas enquanto acariciava meus seios. Depois começou a bombar, primeiro bem devagar e depois com força. Sentia as bolas dele batendo no meu bundão, sinal que o pau tinha entrado todo. Ainda doía um pouco mas foi ficando gostoso e eu dizia: assim amor…arrombe esse cuzinho quase virgem…ele é todo seu…aproveite. Coma meu cuzinho como o corninho do meu marido nunca comeu…Não demorou muito e ele encheu meu cu de porra. Nossa…que delicia. Nunca tinha sido fodida assim. Toda mulher sabe que a melhor coisa do mundo é sentir quando a porra quentinha enche a nossa buceta ou o nosso cú. Essa tal de AIDS apareceu só para estragar o nosso barato. Detesto foder de camisinha. Ainda bem que ele não usou.
Justo nessa hora o telefone deu um toque e mal deu tempo dele se vestir e sair para meu marido chegar. Eu, com a porra escorrendo pelas pernas, só tive tempo de correr para o banheiro e entrar na ducha. Meu marido estranhou e disse: porque está tomando banho de novo se só faltava por a roupa para o jantar? Eu disse que tinha dormido e tinha suado um pouco e resolvi tomar outro banho. Ele foi falando e entrando na ducha também, me agarrando e dizendo que a sauna tinha deixado ele com tesão e queria me comer antes do jantar. Foi um custo para convencer ele de que seria melhor depois do jantar, que nós íamos tomar um vinho e estaríamos mais predispostos. Ele concordou e respirei aliviada. Pelo menos teria um tempinho para me recompor e pensar com calma o que fazer para não dar de 4 como ele gosta. Se ficasse de 4 com certeza ele veria meu cú arrombado. Embora raramente coma meu cú, ele gosta de foder minha buceta por trás, para apreciar meu bundão e de vez em quando enfiar um dedo no meu cuzinho, sem parar de bombar na minha buceta.
Fomos jantar e eu disse a ele que não ia se arrepender pois eu ia dar pra ele de uma maneira especial. Jantamos, bebemos muito vinho e ficamos meio altinhos os dois, rindo muito e curtindo nossa última noite. Quando voltamos para o quarto coloquei uma camiseta comprida, preta, toda furadinha, sem calcinha e disse que estava esperando pelo macho que ia me comer. Ele tirou toda a roupa e deitou ao meu lado, me abraçando e beijando bem gostoso. Eu disse que estava com vontade de chupar a pica dele para deixar ela no ponto, o que fiz em seguida. Enquanto chupava comecei a acariciar o cuzinho dele bem de leve, como ele gosta. Resolvi enfiar um dedinho. Nossa…ele adorou…precisa ver como o pau dele ficava mais duro na minha boca na medida que o meu dedinho entrava no cuzinho dele. Depois, tirei o camisão, coloquei um travesseiro bem duro embaixo do meu bundão e pedi a ele para me comer assim, que a buceta ficaria bem alta e o pau dele entraria mais fundo.
Dito e feito, ele enfiou tudo e eu comecei a gemer alto para ele gozar mais gostoso. Embora ele não goste de falar palavrão, pedi para me xingar, dizendo que assim eu me excitava mais e gozaria mais gostoso. Enquanto ele me xingava dizendo: toma sua putinha, não é isso que vc quer? Quer que eu enfie com mais força? Quer que eu arregace esta buceta? Eu retrucava: isso mesmo meu macho, como essa buceta que é só sua e de mais ninguém, a buceta que só vc fode, me foda bem gostoso, me dá mais pica, quero tudo, tudo. Sou sua cadelinha no cio, sua putinha vagabunda. Goze gostoso meu amor, encha essa buceta de porra. Quero sentir sua porra quentinha enchendo minha bucetinha. Fingi que gozava junto com ele imaginando que era o Carlos me fodendo. Nos lavamos e dormimos. No dia seguinte, na hora da saída vi o Carlos e disse que ia fazer xixi. O Carlos me seguiu até a saleta dos lavatórios. Nos beijamos e ele disse que nunca iria me esquecer, que nunca tinha fodido uma mulher tão gostosa como eu. Eu disse que era recíproco e gostaria de ser fodida por ele novamente, embora sabendo que seria uma coisa quase impossível. Trocamos emails e fui embora. Até hoje falo para meu marido que foi umas férias inesquecíveis que ele me proporcionou. E vejam que estou falando a mais pura verdade…rs.